ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Na volta do passeio que fez às localidades ao redor de Brasília, neste domingo (29), o presidente Jair Bolsonaro voltou a se posicionar contra o isolamento social mais geral, defendido por autoridades de saúde do mundo inteiro. Defendeu apenas o isolamento de idosos e de grupos de risco. Usando seu linguajar costumeiro, disse que é preciso poupar vidas, mas que todos vão morrer um dia. E que é preciso atenção para o impacto da pandemia na economia.

“Temos um problema do vírus? Temos. Ninguém nega isso daí. Devemos tomar os devidos cuidados com os mais velhos, com as pessoas do grupo de risco. Agora, o emprego é essencial.” A informação é do Portal G1.
“Essa é uma realidade, o vírus ‘tá aí. Vamos ter que enfrentá-lo, mas enfrentar como homem, porra. Não como um moleque. Vamos enfrentar o vírus com a realidade. É a vida. Tomos nós iremos morrer um dia. Queremos poupar a vida? Queremos. Na parte da economia, o Paulo Guedes ‘tá gastando dezenas de bilhões de reais, que é do Orçamento, que é dinheiro do povo, se bem que nem dinheiro é. Pegamos autorização do Congresso para estourar o teto, que vai ser paga essa conta lá na frente.”
O presidente justificou seu passeio alegando que foi conhecer as necessidades do povo. Disse que não anunciou sua visita previamente, mas não comentou o fato de que a simples presença de um presidente atrai aglomerações, condenadas pelas autoridades de saúde porque aumentam a chance de contágio.

“Hoje é domingo, tem pouca gente na rua. Agora, eu não marquei nada em lugar nenhum. Foi tudo de forma inopinada. Vamos lá. Entra aqui, para aqui, já ‘tava o povo lá dentro. Eu não juntei ninguém. ‘Ah, junta aí, vamos fazer um oba-oba’. Nada disso. Fui reconhecido. Não teve nenhum grito por parte da população.”

Críticas

O passeio do presidente Jair Bolsonaro por Brasília, na manhã deste domingo,  foi alvo de críticas por parlamentares das mais diversas bancadas do Congresso Nacional. Para os deputados, a situação foi compreendida como “irresponsabilidade”, “provocação a Mandetta” e até mesmo “crime de responsabilidade”. A saída de Bolsonaro pelo comércio, falando com populares, aconteceu um dia depois do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, reforçar medidas de isolamento e pedir que o presidente não menosprezasse a gravidade da pandemia do novo coronavírus em suas manifestações públicas.

O deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM) foi um dos parlamentares a classificar a atitude do presidente como “irresponsabilidade”. Ramos também entendeu o “rolezinho” do presidente como uma “clara provocação” ao ministro da Saúde. “O ‘rolezinho’ do presidente além de uma irresponsabilidade é um péssimo exemplo é uma clara provocação ao ministro Mandetta que tem sido uma voz de lucidez no governo no combate ao coronavírus Lamentável”, escreveu.

Oposição ao presidente, a bancada do PT no Congresso também se manifestou. O deputado Paulo Pimenta (PT-RS), chamou Bolsonaro de “Capitão Corona” e disse que o presidente afrontava todos os procedimentos orientados pelos organismos de saúde. Outro rque se manifestou foi o deputado federal José Guimarães (CE), que afirmou que o ato de Bolsonaro configura “crime de responsabilidade ao ameaçar a saúde pública”.

Marcelo Freixo (PSOL-RJ) também se dirigiu a Bolsonaro chamando-o de “Capitão Corona”. Freixo foi mais um a considerar a aparição pública do presidente como uma irresponsabilidade e lamentou o que classificou como falta de “bom senso” e “caráter”

Presidente nacional do Cidadania, o deputado federal Roberto Freire (SP) também criticou Bolsonaro. Freire compartilhou uma série de postagens que censuravam o passeio do presidente. Em uma delas, um seguidor o perguntava: “Gente, sou só eu que está vendo essa loucura? Num lado bolsonaro estimula saída as ruas – único caso no mundo – . No outro, todos pregando o isolamento social, inclusive do gov que Jair preside. Onde isso vai parar?” Em resposta, o deputado comentou: “Surreal, mas, infelizmente no Brasil, por malefício de Bolsonaro, é real”.

O deputado Alexandre Frota (PSDB) disse que Bolsonaro estaria “espalhando mais o vírus” por Brasília. Marcando a conta oficial do presidente na mensagem, o deputado parabenizou-o ironicamente pela “falta de responsabilidade com o povo brasileiro.”
“Um presidente que força as pessoas a escolherem entre uma doença e um prato de comida não merece o cargo que ocupa”, foi o que afirmou a deputada Tabata Amaral (PDT-SP), ao se manifestar sobre o caso. A parlamentar também lembrou que a justiça já havia se manifestado para impedir que Bolsonaro voltasse a atuar contra o isolamento.

Foto:Bolsonaro em passeio neste domingo – Reprodução redes sociais

Fonte: www.bandab.com.br
Postado por Digital - Data: 30/03/2020

Arquivos Relacionados a Notícia